sábado, 6 de agosto de 2011

Ponte "sobre o Tejo" faz 45 anos


A 6 de Agosto de 1966 o Diário de Lisboa escreveu que "quando o sol começou", nessa manhã, "a iluminar o estuário" do Tejo, "já filas ininterruptas de veículos procuravam fazer a travessia" da ponte, hoje denominada 25 de Abril.

O Diário de Notícias na época, descreve com muito detalhe "o dia em que Lisboa se levantou mais cedo" para ver inaugurar "a ponte", como havia de ser dita pelas bocas do povo. A "abertura simbólica" aconteceu "eram 12:44 precisas", há 45 anos. No jornal dá-se conta das excursões, dos turistas e até da simpatia "dos fabricantes de plásticos", que criaram "um prato raso com uma montagem fotográfica de Alcântara, sem esquecer a estrutura metálica inaugurada". Incluídos estão também o relato das buzinas dos carros e autocarros em longas filas à espera de atravessar para Sul e relatos do "alvoroço entre os apreciadores de televisão", que, não podendo assistir a olho vivo, encheram "os cafés de bairro".

A "Ponte Salazar" era, à época, a maior construção do género na Europa e uma das maiores do mundo. Custou mais de 2,1 milhões de contos, precisou de mais de 72 mil toneladas de betão, e chegou a ter, num só dia, as mãos de três mil homens a trabalhar para erguê-la. O Diário de Lisboa relata ainda a longa pompa e circunstância da cerimónia organizada pelo regime fascista de António Oliveira Salazar, que ordenou a construção da infraestrutura e fez dela sua homónima. Depois da revolução de 25 de Abril de 1974, que depôs a ditadura, a ponte mudou de nome. Os primeiros utentes pagaram 20 escudos (10 cêntimos) para passar a ponte. Hoje, 45 anos depois, o bilhete da portagem custa quase 15 vezes mais.

De acordo com dados da Lusoponte, concessionária da primeira travessia sobre o Tejo desde 1996, o preço da portagem paga por um veículo ligeiro desde essa altura até hoje quase duplicou. Entre os momentos que marcaram a história da ponte, que se cruza com a história da contestação às portagens, destacam-se os protestos do dia 24 de Junho de 1994, durante o Governo de Cavaco Silva.

Dezenas de camionistas bloquearam a travessia em protesto contra o aumento de 50 por cento nas portagens, que iria custear a construção da Ponte Vasco da Gama. Depois de largas horas de bloqueio por parte dos manifestantes, a polícia avançou sobre eles. Houve confrontos, diversas detenções, mais de uma dezena de feridos e um jovem ficou paraplégico depois de ter sido atingido por um tiro.

O 'buzinão' foi sempre um clássico da contestação às portagens na ponte, mas nunca como nesse ano. Desde 1966 o número de veículos a passar a ponte não parou de aumentar. Hoje a 25 de Abril recebe mais de 150 mil veículos por dia e cerca de 56 mil composições ferroviárias por ano. Tem uma média de 300 mil utilizadores diários.

5 comentários:

Orquídea Selvagem disse...

Olá :)

Sabes, se me perguntassem eu achava que a ponte 25 de Abril era muito mais velha do que eu... lol

Gostei da tua reportagem e gostei também da curiosidade e coincidência da data... porque tenho uma amiga que faz precisamente hoje também 45 anos.

Fica bem
Bom Fim de Semana :)

MisterCharmoso disse...

Muito bom este post...a ponte que sempre fez parte do meu imaginário afinal só tem 45 anos....ta cota, ta gira, tá cara ehehehhe

Belo blog parabens, vou seguir com gosto

Tite disse...

Parece que foi ontem e já passaram 45 anos.

Lamento apenas continuarmos a pagar portagem mas, bem vistas as coisas, se não há dinheiro para nada, convém que se continue a pagar portagens para a sua conservação. Seria um risco tremendo se esta não fosse feita a tempo e horas. Estamos, agora, totalmente dependente da sua boa existência.

Será que alguém se lembra dos Cacilheiros que se utilizavam para ir à Costa da Caparica?

A ponte tomou o nome do ditador mas ele nem sequer a queria construir não fora a persistência do seu, se não estou em erro, Ministro das Obras Públicas.

Abraços

L.O.L. disse...

Caro polittikus. Já há bastante tempo que não vinha aqui ao teu blogue e dou logo com este post bastante elucidativo acerca de um dos maiores símbolos da cidade de Lisboa. Também fiquei a saber que esta ponte tem praticamente a minha idade. Penso que a ponte está mais que paga com o dinheiro das portagens ao longo de 45 anos. Como referiu a Tite, e muito bem, a palavra de ordem agora é a conservação. Eu também não gostaria de estar a atravessar a ponte e esta vir parar cá abaixo. lolololololol.

Isa GT disse...

Como diz o L.O.L. já estava mais que paga... e o problema não é... continuar a pagar para a conservação... é, também, para alimentar os pobrezinhos dos privados ;)
Pois eu tinha acabado de fazer 9 aninhos e recordo o antes... as filas para o barco :)

Bjos