segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Património Imaterial do Douro - Narrações Orais


«Há um sítio na aldeia de Zedes, do concelho de Carrazeda de Ansiães, que é conhecido por `ermo` e onde nenhuma erva nasce apesar de a terra ser boa. Dizem os antigos que aquele é o sítio da reunião das bruxas e que, por isso, a erva ali não consegue nascer».

Assim começa a lenda «Ermo das Bruxas», uma das inúmeras histórias, passadas de geração em geração, e que constam do livro «Património Imaterial do Douro - Narrações Orais» vol I e II de Alexandre Parafita; Edição Museu do Douro, 2007

Ao todo são 250 lendas e 166 contos populares que estavam em risco de extinção que o autor fez questão de resgatar às palavras guardadas na sabedoria dos mais velhos. Um trabalho só possível graças à transmissão de geração em geração daquilo que o tempo não apagou. Um trabalho de recolha que demorou três anos.

3 comentários:

Teófilo Silva disse...

Uma lenda muito interessante. Essa das bruxas tem a sua graça. Estórias dos nossos avós.

Osvaldo disse...

Já li e aconselho a todos que gostam de voltar às histórias que nossas avós contavam.
Uma delicia este livro.
Grande abraço, Politikus.
Osvaldo

Fê-blue bird disse...

Meu amigo obrigada por esta partilha, despertou a minha curiosidade, adoro lendas e histórias antigas.

Beijinhos