terça-feira, 23 de novembro de 2010

Amor e Sexo no Tempo de Salazar


"Amor e Sexo no Tempo de Salazar" é o título do livro escrito pela jornalista e escritora Isabel Freire.

Lançado esta semana, é uma viagem ao tempo em que o beijo era o mais perigoso dos delitos e as infidelidades corriam o risco de ser expostas nos sermões das missas. A novela da vida real é conduzida pelos relatos secretos de 12 homens e mulheres que hoje têm entre 70 e 90 anos, apimentados com documentos, revistas e jornais da época.

"Nos "dourados" anos 50, cabia ao homem governar a família e à mulher ser simultaneamente esposa, mãe e fada do lar. É a mesma época em que nenhum homem de boa moral ousaria casar com uma "galdéria" ou fazer com a esposa o que fazia fora de casa com outra mulher."

Mais de 80% das mulheres casadas, recorda Isabel Freire, não tinham orgasmos.

As mulheres de hoje, não sabem a sorte que tem... não viver nos anos 50.


Notícias Relacionadas:
Conta-me como foi. O amor, o sexo e o casamento no tempo de Salazar

7 comentários:

aflores disse...

Que as criancinhas nasciam, nasciam e não era por obra e graça de ...Salazar.
Agora se elas (As Mulheres e os Homens) sabiam o que era um orgasmo....isso já não sei dizer.
:)
O comentário poderá parecer reaccionário, machista...mas não, não é nem tem essa finalidade.
É a pura realidade. ;)

Grande abraço

Tudo de bom

Teófilo Silva disse...

Mas também não havia tanta Chungaria como hoje. E quando se fala em orgasmo, parece que essa escritora esquece uma frase muito utilizada hoje, em que a mulher finge o orgasmo! será que por se dizer esta frase numa democracia muda a situação na falta do orgasmo. Também não estou a ser machista. Apenas a tirar o barrete que certas pessoas nos tentam enfiar. Qual a diferença entre não ter orgasmo e fingir tê-los?
Que responda quem souber...

Teófilo Silva disse...

Esqueci-me de falar sobre o clip de video no blog Rascunhos. Ela diz que não conseguia diminuir o tamanho do clip e eu postei o mesmo clip bastante reduzido, apenas como exemplo.Se visitar o blog rascunhos vai entender.
Um abraço.

polittikus disse...

@ TODOS:
Ou lerem apenas o final do post, ou apenas ligaram aos orgasmos. Era triste ser mulher na decada de 50 não apenas por causa dos orgsmos, mas pela sociedade em si... a submissão ao homem, os direitos não eram iguais.

Teófilo Silva disse...

Pois... apenas li The End. Mas tem razão nesse ponto. As mulheres viviam como escravas do homem. Mas parece que estamos a voltar à estaca zero. As mulheres de hoje, para além do sofrimento, ainda pagam com a vida e na maioria dos casos, os assassinos andam por aì à solta. Afinal sempre é verdade que todas as rosas tem espinhos...

polittikus disse...

@ Teofilo:
Hoje como ontem, já haviam assassinos...

Zé Manel disse...

E eu a pensar que os putos vinham encomendados de Paris no bico de uma cegonha.