terça-feira, 6 de setembro de 2011

Escola...


Nos tempos do bafiento Estado Novo foram plantadas Escolas Primárias por todo o território nacional, desde a aldeia mais recôndita ao aglomerado populacional mais urbano.

Nesses edifícios, além do ensino do célebre ler, escrever e contar, podavam-se as mentes, não fossem estas vir a questionar as bases e os valores do regime. A Escola era, tal como hoje e sempre, um importante instrumento ao serviço do Estado e do conceito de sociedade por este perseguido.

O país era rural, os aglomerados populacionais pequenos, as mulheres domésticas e a Escola Primária cumpria o papel a ela destinado.

Nos dias de hoje já não há uma escola em cada povoação, a escola começa em Setembro e as professoras já não usam carrapito nem dão reguadas, já não se vêem tabuadas na mochila, foram substituídas por calculadoras ou em alguns casos pelo Magalhães.

Os alunos já não se levantam em sinal de respeito quando alguém entra na sala de aula e as velhas carteiras com tinteiros ao centro foram substituídas por novas de contraplacado. A tradição já não é o que era...

e ainda bem. O botas já não dá lições a ninguém.

4 comentários:

Teófilo Silva disse...

Algumasa dessas escolas não foram construidas pelo estado mas sim por particulares. E assistimos agora à venda delas pelas Câmaras Municipais! Esperamos não vir a chorar pelo botas...

Um abraço

polittikus disse...

Amigo Teofilo compreendo o seu ponto de vista, mas não creio que alguma vez venhamos a chorar pelo botas... mas vamos passar tempos parecidos. Fome, ordenados baixos, impostos que nunca mais acabam.

Anónimo disse...

"as professoras já não (...) dão reguadas"

"as velhas carteiras com tinteiros ao centro foram substituídas por novas de contraplacado."

Não sei, não! Já não entro numa escola primário há 20 anos, mas nessa altura, reguadas e velhas carteiras era coisa que não falta... Isso, e indisciplina dos alunos.

relogio.de.corda disse...

Essa das tabuadas serem substituídas pelas calculadoras é um pouco má língua que anda por aí(refiro-me ao antigo ensino primário). Este nível ainda está a salvo do uso da dita.
Quanto ao resto, tudo bem. A escola é hoje um espaço de brincadeiras e de encontros porque, infelizmente, é o único lugar onde as crianças o podem fazer. Quem está na escola até às 18h00 terá pouco tempo para explorar a natureza e outras brincadeiras saudáveis. "A escola a tempo inteiro", foi o instrumento usado por certos senhores governantes para banalizar a escola e a tornar um mero local de guarda de crianças para os pais estarem nos seus trabalhos ou nos seus passeios descansados.