sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Subida do IVA em 2012

A partir de 1 de janeiro, o preço de produtos como refrigerantes, café, óleos, margarinas, compotas, congelados, pizzas e comida para bebé deverão aumentar de preço por passarem a pagar a taxa máxima do IVA (23%).

O Governo, no Orçamento para 2012, manteve os bens essenciais do cabaz alimentar na taxa mínima de 6% (como a massa, arroz, pão, peixe, leite, manteiga, iogurtes, legumes e fruta), mas subiu outros para a taxa normal, como a água engarrafada, bebidas e sobremesas lácteas e refrigerantes.

O que sofre aumento do IVA
Produtos em que a taxa passa de 6% para 23%
Bebidas e sobremesas lácteas
Sobremesas de soja incluindo tofu
Batata (fresca descascada, inteira ou cortada, pré-frita, refrigerada, congelada, seca ou desidratada, ainda que em puré ou preparada por meio de cozedura ou fritura)
Refrigerantes (com e sem gás), xaropes de sumos, bebidas concentradas de sumos e os produtos concentrados de sumos
Provas e manifestações desportivas e outros divertimentos públicos
Ráfia natural

Produtos em que a taxa passa de 6% para 13%
Águas de nascente e águas minerais, ainda que reforçadas ou adicionadas de gás carbónico e atividades culturais


Produtos em que a taxa passa de 13% para 23%
Serviços de alimentação e bebidas (restauração incluída)
Conservas de frutas, frutos e produtos hortícolas, frutas e frutos secos
Óleos e margarinas alimentares
Café, incluindo sucedâneos e misturas
Aperitivos à base de produtos hortícolas e sementes
Produtos preparados à base carne, peixe, legumes ou produtos hortícolas
Massas recheadas, pizzas, sandes, sopas e refeições prontas a consumir em regime de pronto a comer e levar ou com entrega ao domicílio)
Aperitivos ou snacks à base de estrudidos de milho e trigo, de milho moído e frito ou de fécula de batata
Gasóleo de aquecimento
Diversos aparelhos e equipamentos relacionados com energias renováveis

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Passagens de ano gratuitas


A oferta de festas gratuitas de passagem de ano está a aumentar, até porque a crise e a austeridade limitam as opções de escolha dos portugueses. Um pouco por todo o país, há eventos e espetáculos gratuitos.

Lisboa
O espectáculo pirotécnico "Fusão" marca a entrada no novo ano com dez minutos de fogo de artifício que, segundo a organização abraçará o Parque das Nações num momento de "emoção, cor e magia".

Almada
As comemorações no Largo de Cacilhas (junto à Fragata D. Fernando II e Glória) iniciam-se às com os DJs da Antena 3, Mónica Mendes e Rui Estêvão.

Porto
A cidade assinala a passagem do ano a olhar o rio e o tradicional fogo-de-artifício oriundo de Gaia que une as duas margens num dos mais imponentes espectáculos de cor.

Figueira da Foz
A festa tem início às 22:30 com a Banda VIRUS Music, numa tenda no Forte de Santa Catarina. Às 00:00 lugar ao espetáculo de fogo de artifício e piro musical, numa tentativa de bater o recorde da maior concentração de mini foguetes para o Guinness World Record.

Aveiro
A cidade oferece, às 23:00, no Rossio, espectáculo com o grupo "Gandas Malucos", fogo de artifício e animação com vários DJ's.

Viseu
A banda Hi-Fi e fogo-de-artifício são as propostas da cidade (às 23:00 no Campo Viriato), mas no distrito os festejos acontecem também em S. Pedro do Sul e Vila Nova de Paiva.

Santarém
O Jardim da Liberdade e o Jardim da República são os palcos da entrada no novo ano em Santarém. A passagem do ano é também presenteada com um espectáculo de fogo-de-artifício na antiga Escola Prática de Cavalaria.

Algarve
Áurea anima, a partir das 23:00 a festa na praia dos pescadores, em Albufeira, onde a meia-noite é assinalada com fogo de artifício, naquele que será um dos mais importantes 'reveillóns' do sul do país. Os festejos estendem-se também a Lagoa, onde será feita a festa na Avenida dos Descobrimentos.

Beja
A proposta inclui, às 22:30, o espectáculo com Orquestra Chave D'Ouro e Sonido Andaluz, na Praça da República.

Funchal
A Câmara apresenta um grande espectáculo pirotécnico, na Praça do Mar, na Avenida Sá Carneiro, antecedido um espectáculo da Orquestra Ligeira da Madeira (entre as 21:00 e as 04:00).

Ponta Delgada
A festa popular, nas Portas da Cidade, está a cargo dos "Omnis Abba Project", "Banda Royal & Big Band" e Açor Talentos.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Espumantes: Made in Portugal


Tornou-se um hábito, nas festas de passagem de ano, abrir garrafas de espumante, em alguns casos de "champagne", correndo com o ano velho e dando as boas-vindas ao ano novo.

Faz, então, sentido, estando nós à beira de um novo ano, dar umas dicas sobre o que há, para que cada um possa escolher de acordo com os seus gostos e carteira.

Em Portugal, depois do início recente da produção de espumantes na Região dos Vinhos Verdes, há-os em todo o lado, com destaque para as tradicionais regiões do Varosa, Lamego e Bairrada.

No Douro, encontramos os Real Senhor (Vinhos Borges) e os, por vezes excelentes, Vértice, das Caves Transmontanas. No Dão destacam-se os espumantes da Quinta de Cabriz e o rosé da Quinta dos Carvalhais.

Nas Beiras, em Ucanha, Tarouca, na Murganheira, elaboram-se os melhores e mais finos espumantes portugueses, os mais franceses, pelo seu perfil elegante, fresco e vivo; os Raposeira, de Lamego, após uma fase de decadência, recuperam o prestígio que fizeram deles os mais vendidos.

Na Bairrada, desde os Luis Pato, mais informais, passando pelos Casa de Saima, São Domingos, Casa de Sarmento, Caves Primavera, Marquês de Marialva, Milheiro Selas, Quinta do Encontro, Aliança e Quinta das Bágeiras, entre outros, há muito por onde escolher.

No Ribatejo destacam-se os Monge e, na Estremadura, a cuidada gama dos Loridos. Em Bucelas, a par da recuperação dos brancos, nasceram os espumantes Chão do Prado, Quinta da Romeira e Scorpio.

Preços médios dos espumantes portugueses nos Hipermercados:

ESPUMANTES BRUTO
Espumante Baga Bruto Luis Pato garrafa 75 cl
€ 5,98

Espumante Branco Bruto Andromeda garrafa 75 cl
€ 4,99

Espumante Bruto Herdade Esporão garrafa 75 cl
€ 9,98

Espumante Bruto Quinta Cabriz garrafa 75 cl
€ 5,99

Espumante Bruto Caves São João garrafa 75 cl
€ 3,99

Espumante Bruto A.Henriques emb. 2 x 75 cl
€ 10,48

Espumante Bruto 1998 Reserva Aliança garrafa 0.75 lt
€ 6,49

Espumante Bruto M.Gomes Luis Pato garrafa 75 cl
€ 6,99

Espumante Bruto Reserva Montanha garrafa 75 cl
€ 3,99

Espumante Bruto Reserva Qta do Boição garrafa 75 cl
€ 6,99

Espumante Bruto Super Reserva Murganheira garrafa 75 cl
€ 10,40

Espumante Bruto Super Reserva Murganheira garrafa 37,5 cl
€ 6,99

Espumante Bruto Superior Reserva Raposeira garrafa 75 cl
€ 7,49

Espumante DOC Bairrada Bruto Andrómeda garrafa 75 cl
€ 5,80

Espumante Extra Bruto S. Domingos garrafa 75 cl
€ 4,29

Espumante Reserva Bruto Fita Azul garrafa 75 cl
€ 4,90

Espumante Reserva Bruto Raposeira garrafa 75 cl
€ 5,29

Espumante Reserva Bruto Murganheira garrafa 75 cl
€ 8,98

Espumante Super Reserva"Blanc des Blancs" Bruto Raposeira Raposeira garrafa 75 cl
€ 7,99

Espumante Super Reserva Blan deNoirs Bruto Raposeira garrafa 75 cl
€ 7,99

Espumante Super Reserva BrutoVértice garrafa 75 cl
€ 15,90

ESPUMANTES DOCES
Espumante Velha Reserva Raposeira garrafa 75 cl
€ 12,99

Espumante Classic Doce S. Domingos garrafa 75 cl
€ 4,89

Espumante DOC Bairrada Doce Andrómeda garrafa 75 cl
€ 5,99

Espumante Doce Reserva Murganheira garrafa 75 cl
€ 7,99

Espumante Reserva Doce Raposeira garrafa 75 cl
€ 5,29

ESPUMANTES MEIO SECOS
Espumante DOC Bairrada Meio Seco Andrómeda garrafa 75 cl
€ 5,99

Espumante Meio Seco Quinta Cabriz garrafa 75 cl
€ 5,99

Espumante Meio Seco Reserva Murganheira garrafa 75 cl
€ 7,99

Espumante Meio Seco Reserva Raposeira garrafa 75 cl
€ 5,29

Espumante Meio Seco Super Reserva Raposeira garrafa 75 cl
€ 4,98

Espumante Meio Seco Superior Reserva Murganheira garrafa 75 cl
€ 10,49

Espumante Reserva Meio Seco São Domingos garrafa 75 cl
€ 5,29

Espumante Sparkling Branco Seco Gazela garrafa 75 cl
€ 5,99

Espumante Sparkling Meio-Seco Casal Garcia garrafa 75 cl
€ 4,49

sábado, 24 de dezembro de 2011

Consoada



Não há tradição mais portuguesa, que o Bacalhau na noite de Consoada. Se quer manter essa mesma tradição e não sabe como a fazer ou se tem dúvidas como a sua preparação, veja aqui a nossa receia para o Bacalhau da Consoada.



Ingredientes:
Postas de bacalhau demolhado - 4
Pão de milho - 600 g
Batatas - 2 Kg
Couves galegas -2
Azeite e vinagre
Ovos cozidos - 4
Alhos

Confecção:
•Cozinhe o bacalhau e à parte as batatas com as couves.
•Guarde cerca de 1litro de água do bacalhau.
•Coloque o pão fatiado no fundo do tacho de barro, espalhando por cima os
alhos triturados.
•Regue com a água quente do bacalhau, temperando com azeite.
•Coloque o bacalhau por cima com couves e batatas.
•Regue novamente com azeite, alhos e vinagre e decore o prato com pedaços dos
ovos cozidos.

Guia Michelin 2012



O restaurante “Ocean”, do Vila Vita Parc, Lagoa, recebeu a sua segunda estrela Michelin no Guia de 2012, juntando-se ao restaurante do Vila Joya, que manteve as duas estrelas Michelin, graças ao trabalho do carismático chef Dieter Koschina, que desde 1999 mantém a distinção. No total foram 12 os restaurantes distinguidos.

Entre as novidades, está o restaurante do The Yeatman, Gaia, e o Feitoria, do Altis Belém, que este ano conquistam uma estrela.

Os restaurantes Tavares (Lisboa) , Willie's (Quarteira), São Gabriel e Henrique Leis (Almancil), Il Gallo d'Oro (Funchal), Arcadas da Capela (Coimbra), Casa da Calçada (Amarante) e Fortaleza do Guincho (Cascais), são os restaurantes que mantiveram a sua estrela, tal como o Vila Joya, que manteve as duas, noticia a imprensa portuguesa.

Por outro lado, o restaurante Amadeus, Almancil, perdeu a sua estrela na edição de 2012 do Guia Michelin Espanha e Portugal, uma notícia que já se esperava, pois o restaurante acabou por sucumbir às divergências internas que levaram ao seu encerramento.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Revista americana elege Açores como um dos dez destinos para 2012


A escolha dos Açores, feita na perspectiva de um turista norte-americano, destaca a existência de pacotes de viagens atractivos com ligações aéreas a partir de Boston e as ligações existentes entre as ilhas do arquipélago.

Na sua edição em linha, a "Budget Travel" salienta, entre outras características dos Açores, as temperaturas amenas todo o ano, apontando os meses de Outubro a Maio como o melhor período para os turistas de natureza se deslocarem ao arquipélago.

Na lista de destinos mais económicos para o próximo ano, além dos Açores, a revista aponta, entre outros, também o Egipto, a faixa atlântica do Canadá, o Belize e a Polónia.

A distinção atribuída pela "Budget Travel" é a mais recente recebida pelos Açores desde o início do ano, depois de terem sido considerados como um dos oito "Exotic Warm-Weather Destinations to Try" pela cadeia de televisão norte-americana CBS, um dos 10 "Best Trips of Summer" pela "National Geographic Traveller Magazine" e um dos cinco "Volcanic Vacations" pelo "World Travel Guide".

A Aldeia da Cuada, nas Flores, foi considerada um dos "World's Most Romantic Hotels" pela revista "Travel and Leisure", que também classificou a ilha do Pico como uma das "Best Secret Islands on Earth".

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

O Bairro Alto antes dos copos



Desde o século XVII que elas paravam no Bairro Alto, sobretudo nas Ruas da Rosa, do Norte, das Gáveas e do Século. Em finais do século XIX, de acordo com o sociólogo José Machado Pais, no livro A Prostituição e a Lisboa Boémia do Século XIX e Início do Século XX, estratificavam-se em três níveis: as cocottes finas, como a célebre Fernanda do Vale, cobravam 1.000 a 2.250 réis; as médias provocavam homens nas ruas e janelas ao preço de 240 a 1.000 réis; as baixas viviam em pisos térreos e aguardavam pelos operários e marinheiros numa meia porta de madeira, e cobravam 40 a 240 réis.

Na década de 60, com a proibição de casas de passe, passaram a instalar-se nas 70 hospedarias da zona. Em 1985, passaram para a Travessa da Queimada.
Belino Costa, jornalista de A Capital no tempo em que a redacção era no Bairro Alto, estava farto de ver colegas morrerem de enfarte.

Os repórteres que trabalhavam no bairro levavam vidas de excesso, com álcool e tabaco. Um dia, falaram-lhe num espaço para arrendar, uma carvoaria no número 111 da Rua da Barroca. “A dona, que tinha galinhas na rua, punha-as no forno para aquecerem”, recorda.

O forno da pastelaria Belinha, na Rua da Atalaia, no Bairro Alto, deitava tanto calor para as três assoalhadas por cima que os moradores (Jaime, Maria de Fátima e o filho, Caló) tinham de tirar os sapatos para as solas não derreterem. Ao lado, a padaria de São Roque estava já a passar por dificuldades. Colada à padaria, a Tasca do Manel tinha uma mascote invulgar, a gaivota Rita, que afugentava cães e gatos. Os três estabelecimentos chamaram a atenção de Carlos Fonseca e Manuel Reis.

Em 1980, os dois pagaram aos proprietários uma indemnização para saírem – e iniciavam-se os anos da moda no Bairro Alto. A 15 de Junho de 1982 nasceu o Frágil, que revolucionou o local: a fábrica de bolos foi convertida em bar, mantendo os azulejos originais; a padaria serviu para a entrada e para as casas de banho; e a pista de dança ficou na tasca.

“As pessoas faziam fila”, recorda Margarida Martins, porteira do Frágil entre 1983 a 1991, a seguir à produtora de cinema Minda e que chegou a fazer dupla com a cantora Anamar. Era “a Guida Gorda do Frágil”, conhecida pelo zelo com que filtrava as entradas. Numa festa de Carnaval, foi feito um boneco igual a ela, vestido com uma saia enorme por baixo da qual todos tiveram de passar para entrar. Lá dentro bebia-se whisky, vodka laranja, rum cola, gin tónico e cerveja. O guitarrista Carlos Paredes aparecia logo depois de jantar, para beber um sumo de laranja e conversar sobre política nos bancos à entrada.

A transição de tasca de traficantes e prostitutas para bar de elites não foi fácil. “Andei seis ou sete meses à porrada e pus dois seguranças em cada esquina para evitar que essa gente entrasse”, recorda Prima Martinez, que gere o espaço com a irmã Conchita, desde a morte do pai, em 1986.

Em dois meses, o ambiente mudou, com a presença dos Rádio Macau, Jorge Palma e Madredeus, da actriz Alexandra Lencastre, dos estilistas Ana Salazar e Valentim Quaresma e da pintora Ana Vidigal.
O Arroz Doce, que também começava a ficar cheio de “betos”, tinha sido uma casa de prostituição, gerida pela Tia Alice, “uma mulher muito maternal, que tratava toda a gente por meus meninos”, segundo Belino Costa. Ficou famoso pelos shots, alguns com nome impublicável.

O Artis, que abriu na Rua do Diário de Notícias a 13 de Junho de 1983, de propósito para coincidir com o dia e mês de nascimento de Fernando Pessoa, tornou-se outro pólo de intelectuais. O dono, Mário Pilar, começou a coleccionar livros sobre a história do Bairro e descobriu que o escritor francês Júlio Verne passara por lá em Maio de 1884. Verne chegou de coche à Rua da Atalaia, 36, onde hoje fica a loja de Fátima Lopes.

Muitos dos cinco mil moradores do bairro nunca lá entraram. E alguns continuam a preferir manter-se afastados das discotecas e bares, que são agora 91, de acordo com a Associação de Comerciantes do Bairro Alto. São fiéis às tascas e casas de fados que deram vida ao bairro fundado oficialmente em 1513.
A 15 de Dezembro desse ano foi decretada a urbanização das herdades, com o nome de Vila Nova de Andrade. A Rua do Norte, onde vive Mário Correia, de 77 anos, foi das primeiras a serem construídas, tal como a Rua das Gáveas. “Nasci no Bairro, saí em 1961 e depois voltei”, conta.

Sim, eu ainda sou do tempo em que 500§00 deva para apanhar um pifo no Bairro e ainda sobrava para apanhar o táxi em direcção a casa...

in: Sábado

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Lisboa: Rua Portas de Santo Antão


Esta é uma rua onde se cruzam multidões: multidões de espetadores que enchem a sala do Politeama, do Coliseu dos Recreios e do vizinho Teatro Nacional D. Maria II, em dias de espetáculo; multidões de turistas que passam vagarosamente à procura da famosa ginjinha e da beleza inesperada da Casa do Alentejo; e multidões de imigrantes que se concentram nas imediações à espera de melhores dias. Mas aqui também se aglomeram lojas, e muitos, muitos restaurantes.
Mesmo no centro da cidade, entre a Avenida da Liberdade, os Restauradores e o Rossio.

2 - A Contadeira
No piso térreo do Palácio da Independência existem três espaços comerciais, mas foram as malas feitas com vinil, os espelhos ornamentados com pasta de papel e os leques em tecido da loja de Maria José dos Santos que nos conquistaram a atenção. T. 91 706 1032. Seg-Sáb 10h-19h

7 - Ginja sem rival
A casa fundada por João Manuel Lourenço Cima, em 1870 (data aproximada), continua a servir a ginjinha e o eduardino (licor feito à base de infusão de plantas) sem alterações ou modernices. Das 7h-24h

23-25 Gambrinus
No cardápio, logo à entrada, fica a saber-se o que se pode almoçar ou jantar nesse dia. Quando lá fomos, as especialidades passavam pelo caviar do Irão, beluga, foie gras du maître, concha recheada com marisco e alheira de Mirandela. Este ano comemoram os 75 anos de vida. T. 213421466. Seg-Dom 12h-1h30

26-28 A. Da Costa, Lda.
Artigos Militares Bandeiras, estandartes, guiões, condecorações, fardas e distintivos são vendidos a quem tiver identificação militar. T. 21 342 6970. Seg-Sex 9h-13h, 15h-19h



57 Frutaria Bristol
É impossível não parar uns minutos à frente da frutaria do simpático Alípio Ramos, 65 anos. Para lá do aspeto apetitoso das maçãs, laranjas, peras, castanhas, clementinas, repare nos grandes cachos de uvas que servem de ornamentação da montra. T. 21 342 4637. Seg-Sáb 9h-19h

58 Casa do Alentejo
Prepare-se para descobrir interiores deslumbrantes, desde o Pátio Árabe aos grandes salões de festa. Pode ainda marcar reserva no restaurante que aposta na gastronomia alentejana. T. 21 340 5140

99 Aromas de Lisboa
Só vendem produtos nacionais. Mas têm a marca José Gourmet que nos fazem encher o saco (com as embalagens das conservas, o azeite e as compotas). Não ficamos, também, indiferentes aos coloridos e originais exemplares de galos de Barcelos. T. 21 342 6609. Seg-Dom 10h-19h

96 Coliseu dos Recreios
Um dos principais polos culturais da cidade, inaugurado em 1890, por onde já passaram grandes espetáculos e artistas, prepara-se para receber os Guano Apes (29 Out), Trovante (31 Out), Machine Head (17 Nov), Aurea (18 Nov), GNR 30 Anos (19 Nov), entre muitos outros.

109 Politeama
A "casa" do encenador Filipe La Feria, assim como os seus espetáculos, com sessões (quase sempre) esgotadas, dispensam apresentação. Por isso, vamos ao que interessa: em cena A Flor do Cato, de Pierre Barillet e Jean-Pierre Grédy; em breve, o público infantil pode assistir à peça Pinóquio.



110 Ateneu Comercial de Lisboa
Trata-se de uma instituição fundada em 1880, por um grupo de trabalhadores do comércio. Atualmente alberga um ginásio, com piscina, onde se podem praticar várias modalidades e tipos de dança, a Universidade Sénior e a Escola Superior de Medicina Tradicional Chinesa.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Bombocas - Nostalgia LVI



Bombocas. Quem não se lembra deste spot publicitário, que a par com o das Fantasias de Natal nos entrava pela casa dentro na época do Natal...

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Lisboa em destaque no "The Guardian"


"When asked to think of the world's great shopping cities, few people would automatically suggest Lisbon. London, New York, Paris, yes. Marrakech even. But Lisbon?"

"I had already been told that I would love A Vida Portuguesa (Rua Anchieta 11, avidaportuguesa.com). Its walls are lined with soaps, oils, toothpastes, petroleum jelly in retro boxes and store cupboard staples such as Zelly's flour. Run by Portuguese journalist Catarina Portas, this shop is lovely. I walked out with armfuls of Zelly products, as well as a sardine grill for the barbecue, a stunning, iridescent ceramic sardine, tins of sardines, a stove-top toast maker, bright orange and red melamine plates and piles of Couto toothpaste and petroleum jelly in bright orange and black boxes."

Audrey Gillan, The Guardian

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Quem não se lembra das Fantasias, das Pintarolas, do Jubileu ou cozinhou com Pantagruel?


A história da Imperial começa em 1932, em Vila do Conde, e muda-se para muito perto, em Azurara, em 1968. Era apenas uma empresa regional quando, cinco anos mais tarde, foi descoberta pelo grupo RAR. "O dono do grupo RAR, João Macedo Silva, tinha uma grande visão empresarial e estava numa fase de diversificação de negócios. Considerou que a Imperial tinha um grande potencial", conta ao DN a mulher que dá a cara pela empresa, Manuela Tavares de Sousa.

Na sala de reuniões onde os produtos da Imperial estão expostos, lado a lado, sobre um aparador, Manuela conta como, numa década, a Imperial ficou a ser conhecida em todo o País. "A empresa fez um investimento ao nível de equipamentos de produção, decidiu uma estratégia de marketing e começou a lançar marcas emblemáticas, como as Bom-Bokas, as Fantasias de Natal, Pintarolas, Pantagruel e Allegro". Quem não se lembra dos anúncios das Bom-Bokas e das Fantasias de Natal?

Para comemorar os 50 anos da Imperial, em 1982, a empresa lançou a marca Jubileu, que rapidamente passou a líder do mercado. "Em 1984, uma em cada duas tabletes de chocolate vendidas eram Jubileu. Tínhamos 50% da quota do mercado." Enquanto a Imperial crescia, em Lisboa os chocolates Regina atingiam o seu apogeu para acabarem por recuar nas vendas com a entrada de Portugal na então Comunidade Económica Europeia. A presença de multinacionais no País e a concorrência cada vez mais feroz derrubou os chocolates Regina.

"Em 2000, a Imperial adquiriu a Regina e fez um estudo de mercado. Concluiu que a marca tinha uma notoriedade superior a 90%." Dois anos bastaram para a relançar no mercado, à marca e a todos os seus produtos históricos, como o chocolate com sabores a frutos tão variados como a laranja.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Cortejo Histórico de Lisboa (1947)

O Cortejo Histórico de Lisboa em 1947 (CML) from Goncalo Ramos Ferreira on Vimeo.



Cortejo comemorativo do VIII Centenário da Tomada de Lisboa (1947). Foi uma das primeiras filmagens a cores em Portugal, sendo produzido pela Câmara Municipal de Lisboa (CML).

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

A ajuda das marcas antigas a outra mais antiga, Portugal


O desenvolvimento de marcas nacionais é um elemento determinante para acrescentar valor à produção nacional. É que a marca é sempre um elemento central de uma bem sucedida estratégia de crescimento alicerçada numa presença sustentável nos mercados nacionais ou internacionais

Identificadas as áreas em que Portugal pode contar, por via da exportação, na recuperação económica, importa também apostar na afirmação das suas marcas. Segundo a análise da Espírito Santo Research Sectorial, as marcas são um património de primeira relevância para as empresas através das quais o consumidor percepciona um conjunto de referências positivas dentro e fora de portas. E através do qual também o País pode ser alavancado em termos de competitividade e sustentabilidade.

Mas, tal como as empresas nacionais, as marcas portuguesas que conseguem ter projecção fora de portas batendo-se com as internacionais ainda são muito poucas. Isto, apesar de um número crescente de empresas e empresários terem uma maior consciência da importância da construção de uma marca de forma sustentada através de um "continuado processo inovador".

Esta máxima é válida também para o mercado interno, onde cada vez mais portugueses têm consciência e atenção ao valor das suas marcas. A situação difícil do País gerou a ideia de que para ajudar à sua recuperação há que comprar e consumir produtos nacionais, pondo as empresas portuguesas a produzir e a vender. A ideia ganhou mais força com acções como "Compro o que é nosso".

Em seis anos, são já 814 as empresas aderentes ao programa (45% do sector alimentar), representando 2500 marcas e um volume de negócios agregado superior a 14,5 mil milhões de euros. É objectivo da AEP atingir as 1000 empresas e 3000 marcas em 2012.

Não será difícil uma vez que os portugueses valorizam cada vez mais as suas marcas carregadas de atributos como a qualidade, imagem, garantia, confiança, responsabilidade, continuidade e preço. Mas também antiguidade, que pode parecer um aspecto negativo mas não é - é sinal de resistência... E, nos dias que correm, são características que importam, e muito. É o caso do vinho do Porto Fonseca, perfumes Ach Brito, conservas Bom Petisco, Licor Beirão, panelas Silampos, Renova, vinhos Ferreirinha e Mateus, farinha Branca de Neve, lápis Viarco, leite Lactogal, farmacêutica Bial, Compal, pasta medicinal Couto, entre muitas outras marcas, algumas com mais de 50 anos ou lá perto...


in: DN

sábado, 26 de novembro de 2011

Lisboa é a sétima melhor cidade para fazer compras


Lisboa figura no sétimo lugar entre as melhores cidades europeias para fazer compras. Quem o diz é a Economist Intelligence Unit (EIU), a empresa de consultoria e pesquisa do grupo Economist no estudo “Globe Shopper City Index – Europe”, uma encomenda da empresa de serviços financeiros Global Blue.

Este estudo, que avalia a atractividade de 33 grandes cidades europeias em termos de compras em viagens internacionais, faz incidir a sua análise em 38 critérios divididos por cinco categorias: comércio, preço, comodidade, hotéis e transportes, cultura e clima. Os critérios são avaliados quantitativamente ou qualitativamente – por exemplo, o número de voos anuais ou as probabilidades de negociar um desconto em várias lojas – recebendo depois, cada cidade, uma pontuação média em cada categoria. A pontuação final, de 0 a 100, é calculada a partir da média das classificações nas cinco categorias. As cidades foram seleccionadas com base no número de visitantes e no seu poder económico, entre os países europeus com PIB superior a 50 mil milhões de euros.

Em termos de pontuação por categoria, Lisboa conseguiu mesmo ficar em primeiro lugar na vertente de ‘cultura e clima’, uma classificação a que não é alheia ao número médio de horas de sol de que a cidade goza por dia. Já na categoria de ‘hotéis e transportes’ os resultados não foram tão felizes, tendo sido prejudicados pelos acessos, rodoviário e ferroviário limitados, até ao centro da cidade.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Restaurantes portugueses no Guia Michelin de 2012


Doze restaurantes portugueses estão distinguidos na edição de 2012 do Guia Michelin
Espanha e Portugal, dois dos quais com duas estrelas.

O Ocean, chefiado pelo austríaco Hans Neuner, conquistou a segunda estrela Michelin. Já o Vila Joya, comandado por Dieter Koschina, viu renovada a distinção de duas estrelas Michelin que tem recebido desde 1999.

Quanto aos estabelecimentos com uma estrela, a lista do próximo ano, conta entre as novidades o Feitoria, cuja cozinha é da responsabilidade de José Cordeiro, e The Yeatman (Vila Nova de Gaia), que tem à frente Ricardo Costa. Ambos os chefes de cozinha já trabalharam na Casa da Calçada, em Amarante, para quem haviam conquistado uma estrela Michelin.

Na edição do próximo ano, que estará à venda esta sexta-feira por 23,90 euros, Portugal regista uma saída: o Amadeus (Almancil), que perde a estrela que detinha.

Mantêm a estrela os restaurantes Tavares (Lisboa) – que em 2011 viu sair o chefe José Avillez, sucedido por Aimé Barroyer –, Willie’s (Quarteira), São Gabriel e Henrique Leis (ambos em Almancil), Il Gallo d’Oro (Funchal), Arcadas da Capela (Coimbra), Casa da Calçada (Amarante) e Fortaleza do Guincho (Cascais).

O anúncio foi feito em Barcelona, na cerimónia de apresentação do guia para 2012, pelo director de mapas e guias de Espanha e Portugal da Michelin, Fernando Rubiato.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Anthony Bourdain em Lisboa


Anthony Bourdain, o chefe nova-iorquino que se tornou mundialmente famoso quando escreveu o sensacional "Cozinha Confidencial", vai estar em Lisboa no fim deste mês para gravar mais um programa "Não Aceitamos Reservas" ("No Reservations", no original), que a SIC Radical exibe já há uns tempos.

Quem estiver com ele, já sabe, se o querem ver feliz, é dar-lhe carne de porco e mariscos, de preferência em ambientes "duvidosos"... este chef tanto almoça num restaurante gourmet como janta numa roulote cheia de "junkies"

sábado, 12 de novembro de 2011

Projecto da Santa Casa reabilita profissão de engraxador


Longe vai o tempo em que puxar o lustro ao sapato era habitual nas ruas lisboetas. Os típicos engraxadores, que ilustram a memória de quem conhece há muito a capital, são cada vez menos. Mas há quem queira revisitar a tradição, entre formar novos engraxadores e dignificar o ofício, o projecto “Tradição – Engraxadores” pretende recuperar a riqueza de um legado nacional.

Paulo Parreira tem 20 anos e está desempregado há dois. Soube do projecto pela Associação CAIS, parceira da iniciativa, e foi aprender a engraxar. Ele e mais nove homens, antes desempregados, estão agora em postos espalhados por várias zonas de Lisboa. São estes os contornos do projecto, lançado pela Santa Casa de Misericórdia de Lisboa (SCML), também em parceria com o IADE – Creative University e o ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. E a escolha de reabilitação desta profissão não é por acaso. Ao seu estatuto icónico junta-se, diz Henrique Pinto, director executivo da CAIS, a capacidade que tem de “oferecer aos seus trabalhadores uma razoável sustentabilidade”. Não garante apenas o “sobreviver”, reforça, mas também o “viver”. Uma visão partilhada por António Charana, director do Departamento de Empreendedorismo e Economia Social da SCML, que realçou a necessidade de dar “mais valor” aos engraxadores.

A somar à certificação profissional, ao manual de conduta e à atribuição de um local estratégico para montar o negócio, quem participa no projecto recebe uma caixa de engraxador com um design inovador desenvolvido pelos alunos do IADE. O modelo, distribuído pelos 14 mestres e aprendizes abrangidos por esta iniciativa, segue o espírito de revivalismo histórico de inícios e meados do século XX.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Sapo apresenta panorâmica de Lisboa


O Sapo disponibiliza a partir de hoje fotografias panorâmicas de alta resolução de Lisboa, o arquivo é composto por 18 mil fotografias.

As fotografias vão estar disponíveis no site Sapo Panoramas – ao todo, são 12 fotos, onde o utilizador pode fazer zoom até níveis de imagem muito detalhados.

Para além de fotos de Lisboa (tiradas de sítios como o Castelo de São Jorge, a Ponte 25 de Abril e o Centro Cultural de Belém, entre outros), há fotografias captadas em Sagres, no Cabo da Roca e uma fotografia que foi tirada no Estádio de Alvalade, durante o jogo Sporting-Lazio.

As fotografias vão incluir elementos de interactividade e ligação a redes sociais: os utilizadores podem partilhar locais específicos captados nas fotos, assinalarem a sua presença ou a de amigos (através de tags) ou solicitarem a remoção de conteúdo que considerem impróprio.

A apresentação do projecto é feita hoje, na quinta edição do Sapo Codebits, um evento que inclui dezenas de palestras e um concurso de criação de projectos que envolve uma maratona de 48 horas de programação e desenvolvimento.

No Codebits, a foto panorâmica de Lisboa será exibida numa tela de 25 metros e, numa parceria com a Microsoft, poderá ser controlada através de gestos, usando uma adaptação do Kinect, o acessório daquela empresa para controlar jogos através de gestos na consola Xbox.

O objectivo do Panoramas, explica o director de tecnologia do Sapo, Celso Martinho, é documentar Portugal, “começando pelos pontos emblemáticos” e, no futuro, bater o recorde mundial para fotografias deste género.

A fotografia de Lisboa composta por 18 mil imagens totaliza 60 gigapixeis – um gigapixel tem 1000 vezes mais informação do que um megapixel; as câmaras fotográficas de telemóveis tipicamente oscilam entre os três e os 12 megapixeis.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Os hambúrgueres 'azuis' que conquistaram os portugueses


h3. A cadeia que começou a dar os primeiros passos no Saldanha já entrou no mercado espanhol e polaco e vai abrir este ano duas outras lojas na cidade brasileira de São Paulo.

"Hamburgologia", o termo ainda não existe nos dicionários de língua portuguesa, mas houve três portugueses que descobriram esta arte nos últimos anos. A história desta ciência, agora aperfeiçoada - e todos os dias testada nas lojas h3 -, começou no centro comercial Monumental, em Lisboa, mas já conquistou outros países, como Polónia e Espanha. E prepara-se para entrar no Brasil.

O segredo é simples: oferecer uma refeição rápida mas com qualidade gourmet. No entanto, como este termo francês já se vulgarizou e até "já há comida para gato gourmet", os responsáveis preferiram substituir a expressão por "New hamburgology" (nova hamburgologia).

Iniciada já em período de crise económica, a cadeia h3 já é vista como um exemplo nacional de empreendedorismo. O segredo destas lojas é serem um restaurante que é rápido a servir e tem qualidade.

Actualmente existem cerca de 40 lojas h3, sendo a maioria delas em território nacional. Na Polónia já há uma, em Espanha outra, e serão inauguradas, ainda este ano, duas em São Paulo, no Brasil.


fonte: DN

sábado, 5 de novembro de 2011

Golegã: Festa do Cavalo Lusitano


A Feira Nacional do Cavalo da Golegã remonta ao século XVIII, inicialmente conhecida com São Martinho. Este ano a Feira do Cavalo tem lugar de 04 a 13 Novembro de 2011, no Largo do Marquês de Pombal, Golegã.

O nome oficial desde o início dos anos 1970 é a "Feira Nacional do Cavalo" e hoje é considerado um dos eventos mais importantes de seu tipo em Portugal.

Golegã, também conhecida como "A Capital do Cavalo”, embora seja uma pequena cidade tranquila e pacata, tem mantido a tradição e ganha vida durante o festival anual. É visitado anualmente por milhares de turistas e negociantes de cavalos de todo o mundo. Este evento sempre foi o principal encontro e local de negociação para o famoso cavalo Lusitano.

Existem muitos eventos diferentes durante a feira, desde espectáculos, desfiles, várias provas equestres, jogos e exposições.

Os turistas podem contar também com a gastronomia local, já para não falar de famosa "água pé".

terça-feira, 1 de novembro de 2011

"Lonely Planet" coloca Porto em 4.º no ranking de destinos para 2012


A revista Lonely Planet colocou o Porto como o quarto destino mundial predileto para 2012, elogiando a beleza da cidade e a competitividade dos seus preços.

"A cidade que deu o "Port" a Portugal (tal como o Porto no seu copo de vinho) é uma aposta muito boa", refere a "bíblia" para milhões de viajantes de todo o Mundo.

A Lonely Planet elogia a "cidade encantadora", realça a "atmosfera das suas ruas estreitas" e indica "praças estilo vila e edifícios enfeitados de azulejos", dando também destaque ao vinho do Porto.

"Está ligada à maior parte da Europa através de companhias aéreas de baixo custo", acrescenta o trabalho que destaca ainda os alojamento a preços acessíveis com vista para o Douro, visitas de barco à Afurada, viagens de elétrico e a proximidade com o Alto Douro, bem como os cruzeiros até lá.

A lista de 10 destinos inclui ainda o nordeste dos Estados Unidos (Nova Iorque, Boston e Wahington), o Japão, Tadjiquistao, Lesoto, Iquitos (Peru), San Francisco (Estados Unidos), Ohrid (Macedónia), delta do Mekong (Vietname) e Mérida (México).

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Com o fado ao peito


A Bem Português abriu em janeiro e já tem a sétima arte no currículo. Uma das cenas do próximo filme de Rui Goulart passa-se na loja. O ator principal entra e compra uma T-shirt com motivos nacionais aquela que tem uma guitarra portuguesa na vertical e, no cabo, em vez das cordas, um fado escrito. Há outras, com rendas de bilros, sardinhas a assar, galos estilizados.

As T-shirts ocupam uma pequena parte do espaço que Adriana Lopes decorou com caixas de madeira de Vinho do Porto restauradas. "Temos de fazer reviver o que temos de melhor, porque nós somos bons e temos coisas boas", sublinha.

Há uma diversidade de artigos que em comum têm o facto de serem feitos no País, mesmo que a matéria-prima possa ser estrangeira O que se vê é, sobretudo, muito artesanato tradicional e urbano. Mealheiros feitos em papel machê que retratam profissões; molduras, porta-lápis, porta-chaves e postais em madeira; as "ballerinas" da Rosachicolate, umas sabrinas de pele pintadas à mão; canecas onde cabe o Porto da Soma Ideias. Ao fundo, o gourmet ocupa um número considerável de prateleiras. Pâtés, compotas, vinhos, licores. Tudo nacional.


BEM PORTUGUÊS
R. Mouzinho da Silveira, 148, Porto
T. 22 099 6465
Seg-Dom 10h30-13h30, 14h30-19h30


in: Visão

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Seca no Minho permite ver aldeia submersa desde 1992



A seca no Minho acaba de colocar à vista uma aldeia galega submersa desde 1992, depois da construção da barragem do Alto-Lindoso e com os antigos habitantes a regressarem, emocionados, para verem as antigas casas.

Aceredo era uma pequena aldeia, com cerca de 40 casas e uma centena de habitantes. Em pleno vale do rio Lima e regada ainda pelo rio Calvo, vivia da agricultura, sobretudo das férteis vinhas que se erguiam encosta acima.

domingo, 23 de outubro de 2011

Licor de Portugal



Voltou a estar na moda com a publicidade dos Gato Fedorento e recentemente com o Paulo Futre, mas antigamente era ssim...

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

495 candidatos às hortas urbanas de Lisboa


A Câmara Municipal de Lisboa recebeu 495 candidaturas à cedência de 42 terrenos disponibilizados para hortas urbanas. O período de candidaturas fechou a 20 de Outubro e a selecção decorre até ao início de Novembro. O principal critério de selecção é a proximidade geográfica da residência do candidato, segundo o vereador responsável, José Sá Fernandes.

Os terrenos indicados são os parques hortícolas de Campolide e da Quinta da Granja, em Benfica. O vereador do Ambiente Urbano, Espaços Verdes e Espaço Público, considera o número de candidaturas “muito positivo”, porque reflecte “a existência de uma necessidade por suprir”.

Sá Fernandes frisa que o principal critério é o “da residência do candidato ser ou não próxima do parque”, de forma a assegurar a continuidade da utilização dos terrenos.

A inauguração do parque da Quinta da Granja realiza-se a 29 de Outubro. Inicialmente estavam a concurso 15 dos 38 talhões construídos, sendo que os restantes foram atribuídos automaticamente aos agricultores que já utilizavam o espaço para cultivo antes das obras. Destes, cinco desistiram de manter as parcelas após a intervenção municipal, aumentando para 20 o número de talhões disponíveis. Com cerca de 150 metros quadrados, cada talhão terá um custo anual de 55 euros.

No parque hortícola de Campolide, junto às instalações da Polícia Municipal, foram a concurso 22 talhões para hortas de recreio. Aqui, o valor a pagar por talhão vai variar entre 55 euros e 100 euros por ano.

José Sá Fernandes realça a importância deste projecto “a nível social e também ambiental, com o melhor aproveitamento dos solos de Lisboa”. O vereador salienta ainda o papel que estes espaços verdes podem desempenhar “no lazer e tempos livres da população, especialmente a mais idosa”.

in: Público

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Hoje apeteceu-me...


Hoje apeteceu-me usar outros aromas e o Musgo Real, levou-me por momentos à minha infância e aos odores de outros tempos...

sábado, 15 de outubro de 2011

Manifestação


Mexe essa peida do sofá e faz alguma coisa por ti próprio. Manifesta a tua opinião...

sábado, 8 de outubro de 2011

Campeão do Mundo


O ‘motard’ português, que apenas tinha de terminar em sétimo, foi segundo no final tendo mesmo vencido a última etapa do ‘Rali dos dos Faros, que se realiza no Egito. É a primeira vez que um português alanca o primeiro lugar do pódio.

Feira Nacional de Agricultura Biológica



A agricultura biológica está em destaque, hoje e amanhã, no Pavilhão Rosa Mota, no Porto. O evento Terra Sã Porto 2011 promove palestras, prova e venda de produtos provenientes deste tipo de agricultura sustentável.

Nas palavras do director do evento, Jaime Ferreira, o lema que a feira quer transmitir é: “produzir nacional e local, de forma sustentável, alimentos saudáveis, nutritivos e suficientes para satisfazer as necessidades da população portuguesa, só é possível em Agricultura Biológica”.

Para explicar a importância da agricultura biológica e como entrar nesse mundo, a Terra Sã Porto 2011 organiza o seminário “Agricultura Biológica, Auto-suficiência e Segurança Alimentar”, duas sessões de palestras intituladas “Horticultura Biológica Urbana” e “Alimentação Saudável” , e, claro, promove a exposição e venda de produtos biológicos. Há ainda um Espaço infantil e também concursos e provas de vinhos, azeite, doces, mel, entre outros produtos.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Implantação da República Portuguesa



A Implantação da República Portuguesa foi o resultado de um golpe de estado organizado pelo Partido Republicano Português que, no dia 5 de outubro de 1910, destituiu a monarquia constitucional e implantou um regime republicano em Portugal.

Mudou o regime, a tecnologia evoluiu, as pessoas mudam, os políticos continuam mediocres... assim é Portugal depois de 100 anos de República.

sábado, 1 de outubro de 2011

Feira do artesanato - Vila Franca de Xira


Vila Franca de Xira recebe, desde ontem e até 9 de Outubro, mais uma edição da Feira Anual no Parque Urbano. Além das diversões, tasquinhas e tendas de venda para todos os gostos e bolsas, o destaque vai para o 31.º Salão de Artesanato que marca também a inauguração, no dia 1 de Outubro, do novo Pavilhão do Parque Urbano. A proposta é para apreciar a arte manufacturada do mais variado tipo de peças, que artesãos de todas as regiões do País trazem até aqui. Em alguns casos, o trabalho poderá ser apreciado ao vivo. A Tauromaquia, como não podia deixar de ser, é outra das vertentes desta festa, com as tradicionais largadas e esperas de toiros nas ruas da cidade e, ainda, as corridas na Praça Palha Blanco.

Esperas de Toiros
1 de Outubro (Sábado) – 16h30
2 a 5 de Outubro (Domingo, Segunda, Terça e Quarta-feira) – 10h30

Corridas de Toiros na Praça Palha Blanco
30 de Setembro (sexta-feira) – 22h00
2 de Outubro (Domingo) – 17h00
4 de Outubro (terça-feira) – 22h00

Arruada pela Banda Filarmónica do Ateneu Artístico Vilafranquense
Integrada nas Comemorações do Dia Mundial da Música
1 de Outubro – 17h00

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

RestaurantWeek em Lisboa está de volta




O RestaurantWeek está de volta a Lisboa de 22 de Setembro a 5 de Outubro e conta com a participação de 57 restaurantes.

O conceito é simples: democratização do acesso à restauração de qualidade além de paralelamente permitir cumprir um objectivo de Responsabilidade Social. Ao aderir ao conceito RestaurantWeek, cada restaurante participante e cada cliente do menu especial RestaurantWeek está a contribuir para causas sociais e a apoiar Associações de Solidariedade Social.

O dinheiro angariado com esta iniciativa reverte a favor da Mulheres de Vermelho, uma associação destinada a todos os tipos de mulher com problemas cardiovasculares. Para aderir a esta iniciativa basta fazer a reserva no restaurante, apreciar o menu específico Lisboa RestaurantWeek e pagar o preço fixo por refeição - €19 + €1 – que não inclui o preço das bebidas. O €1 de gorjeta adicional é enviado para as instituições.

Esplanadas com olhos no Tejo


O Verão despede-se oficialmente mas nós preferimos prolongá-lo: nova selecção de esplanadas alfacinhas para continuar a fingir que é Verão... mesmo que seja precisa alguma protecção e até uma mantinha.

BELÉM | À Margem
Um espaço minimalista, invadido por branco e transparências de cima a baixo, que surge como uma caixa bem integrada na paisagem, quase um portal para rio e céu. Está praticamente no Tejo, com o Padrão dos Descobrimentos e o Altis Belém ou o Museu de Arte Popular como vizinhos. Inclui uma área mais fechada e esplanada (protegida em períodos mais agrestes). Quando o frio aperta, há mantas e aquecedores. Em grande destaque: a selecta banda sonora que acompanha os dias e noites da esplanada e a aposta nos vinhos. Serve refeições ligeiras e realiza diversos eventos, particularmente em redor dos vinhos.
Lisboa, Doca do Bom Sucesso. Tel.: 918225548. www.amargem.com
Abre diariamente às 10h, fecha à 01h de domingo a quinta e às 02h à sexta e sábado
MAIS: O Tejo a seus pés


LIBERDADE | Sky Bar
É mesmo um bar de Verão e renasce, no 9º piso do hotel Tivoli Lisboa, assim que os calores começam a fazer sentir-se. Pode ainda ser aproveitado até finais do mês, além de que o restaurante do hotel tem sempre o seu terraço à disposição (não em vão, chama-se precisamente O Terraço). O registo estival faz-se com três ambientes: o terraço protegido do restaurante e duas partes já sem coberturas: uma quase em corredor onde se estende uma fila de almofadões e mesas de apoio (e com cachimbos de água, se desejar); e num nível inferior, um lounge deluxe, um quadrado plantado num "jardim" de relva (sintética) pontuado por sofás longos para o relax absoluto. Tudo preparado para oferecer vistas deslumbrantes pela cidade abaixo e acima até ao rio. Na ementa, refeições ligeiras e uma selecção eficaz de cocktails.
Lisboa, Hotel Tivoli Lisboa (9.º piso) - Av. da Liberdade, 185. Tel.: 213198934. Segunda a domingo das 17h às 01h. www.tivolihotels.com
MAIS: Perto do céu
VÍDEO: Veja cocktails do Sky Bar no PÚBLICO Life & Style



SANTA CATARINA | Noobai
Bar e esplanada com essência navegante: fica na encosta do Jardim do Adamastor/miradouro de Santa Catarina, no topo do edifício da Casa dos Marinheiros Mercantes. E, para mais, o nome deve-o à expressão cabo-verdiana "nu bai" - nós vamos. Reparte-se por uma sala protegida e bem decorada (especialmente com alusões às viagens), com esplanada em frente e (por vezes) com uma segunda esplanada no nível superior. Vastas vistas para o rio e para o casario, ementa de refeições ligeiras onde se fundem culturas várias, cocktails, sumos naturais e propostas sazonais. A programação inclui eventos culturais e musicais ou DJ e há um espacinho dedicado aos mais novos. Frio? Mantinhas e aquecedores.
Lisboa, Miradouro do Adamastor (Santa Catarina). Tel.: 213465014. Segunda a Sábado das 12h às 00h, domingo das 12h às 22h. www.noobaicafe.com
MAIS: O miradouro de São Noobai

Mas há mais, muitas mais...

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

No Mercado de Santa Clara agora cozinha-se


Há muito tempo que não se vêem frutas e legumes nas bancas do Mercado de Santa Clara, junto à Feira da Ladra. Desactivado como mercado, tem sido usado pela Câmara Municipal de Lisboa para exposições temporárias. Hoje vai voltar a receber pelo menos um produto: o tomate. E, para além dele, centenas de objectos que contam histórias de como o homem foi trabalhando produtos e alimentos, e moldando-os ao seu gosto – no fundo, uma pequena história da alimentação em Portugal.

O Centro de Artes Culinárias, que inaugura hoje às 19h30, é um projecto da associação As Idades dos Sabores, criada em 2001 por Maria Proença (que foi responsável pelo programa Saber Fazer na RTP2 e por uma página de culinária na revista Marie Claire). Através de um protocolo com a Câmara, a associação vai-se instalar no Mercado de Santa Clara, com uma colecção de perto de 4000 objectos (dos quais cerca de 500 compõem a exposição inaugural, que ficará até 30 de Novembro e que é comissariada por Joaquim Caetano, conservador do Museu Nacional de Arte Antiga e vice-presidente da associação). E ainda com uma agenda que inclui aulas de cozinha (que deverão começar já a partir de Outubro), conferências, concertos, projectos com crianças, tudo ligado àquilo a que gosta de chamar “as artes culinárias”.

in:Público

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Há festa no novo Cais do Sodré


O Cais do Sodré reanima-se e renova-se: as casas Europa, Tokyo e Jamaica reabrem hoje, e parte da rua dos bares, a Nova do Carvalho, vai estar a interdita à circulação automóvel a partir de amanhã. A semana é repleta de música e festejos, incluindo animação de rua e um concerto dos Homens da Luta.

Discotecas Europa, Tokyo e Jamaica reabrem... locais de meninas até os anos 80, depois dos meninos que fumavam jarros e agora de tudo e de todos.Há festa no novo Cais do Sodré...

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Bom Jesus da Piedade - Elvas



De 18 a 25 de Setembro festeja-se na cidade de Elvas o Senhor Jesus da Piedade e a Feira de S. Mateus. Com mais de 250 anos de existência, estes festejos incluem cerimónias religiosas, espectáculos musicais, fogo-de-artifício, provas desportivas e exposições de artes plásticas.

Durante os dias da festa anual, o Santuário do Senhor Jesus da Piedade, construído em 1752, é visitado por milhares de pessoas. As celebrações começam com a Procissão dos Pendões, presidida pelo Arcebispo de Évora, uma das maiores manifestações religiosas do país, que costuma atingir dois a três quilómetros de extensão.

A Feira de S. Mateus é uma das mais antigas do País. A primeira data de 1392 e contou com a aprovação de D. João I. É uma tradição que se vem mantendo desde o século XVI, e em 1931, estes festejos viriam juntar-se às manifestações de devoção e fé em honra do Senhor Jesus da Piedade, reunindo assim a componente pagã e religiosa naquela que é considerada uma das maiores romarias do sul de Portugal.

Ericeira é reserva mundial de surf



A Ericeira tornou-se Reserva Mundial de Surf … , lugar onde os dias de Verão são de Sol encoberto, de nevoeiros e chuvinha miúda!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Mas, não havia crise




Ainda não tenho 40 anos, mas desde que me conheço como gente que se ouve falar da crise. Por alto lembro-me de 3 ou 4 grandes crises financeiras desde que nasci. Ora, aqui está um problema que não existia durante o “tempo da outra senhora”…

A fome era geral, mas não havia crise…

não existiam lojas dos chineses, nem hipermercados, também não eram precisos, o consumo era de subsistência e pouco mais, mas não havia crise...

cerca de 70% da população tinha apenas duas mudas de roupa, um par de sapatos e os cachopos andavam descalços, mas não havia crise...

sem sindicatos ou alguém que defende-se os trabalhadores, o patronato pagava o que queria, mas não havia crise…

ter automóvel era uma utopia para a maioria, assim como habitar em casa própria, mas não havia crise…

Alguém me explica, como é que esta sociedade de consumo desenfreado e que apenas olha para o umbigo, ainda tem a lata de falar em crise!?

Nos dias de hoje, a maioria das famílias tem um ou mais automóveis, outros tantos ou mais, vivem em casas que têm a ilusão que são deles, mas que estão a pagar ao banco.
Hoje mais do que nunca, comem como se o mundo acaba-se amanhã e compram bens de consumo como se fosse pão para a boca.

Onde está a crise!? Muitos deviam passar a fome que os seus avós passaram, andar descalços como os pais andaram e ter apenas um par de calças/saia para vestir. Não havia crise, havia pobreza. Nos dias de hoje a pobreza nacional é a do espírito.

Os que vemos na Televisão a falar de dita crise, são os que menos sofrem com ela, para eles a crise está, em não poder comprar um BMW acima do vizinho, em não poder comprar um LED mais caro que o do primo, ou simplesmente ter os filhos numa escola pública como o comum dos mortais. Esta gente não sabe o que é crise. Quem verdadeiramente sofre com ela tem vergonha de o admitir…

domingo, 11 de setembro de 2011

Três vinhos portugueses entre os 25 melhores mundiais


Três vinhos portugueses foram eleitos para o grupo dos 25 melhores a nível mundial pela revista especializada Decanter, que anunciou na quarta-feira à noite os vencedores dos Prémios Mundiais do Vinho.

O Bacalhoa Moscatel 2004 foi eleito o melhor vinho licoroso a menos de 10 libras (11 euros), o Tagus Creek Shiraz e Trincadeira 2010 o melhor tinto de mistura a menos de 10 libras e o Madeira Verdelho Henriques & Henriques 15 anos o melhor vinho licoroso a mais de 10 libras.

sábado, 10 de setembro de 2011

7 Maravilhas da Gastronomia - Os vencedores



Entradas: Alheira de Mirandela / Queijo Serra da Estrela

Sopa: Caldo verde

Marisco: Arroz de marisco

Peixe: Sardinha assada

Carne: Leitão da Bairrada

Caça:

Doces: Pastel de Belém

7 Maravilhas da Gastronomia - 21 Finalistas






PRATOS FINALISTAS:

Entradas: Alheira de Mirandela, pastel de bacalhau, queijo Serra da Estrela

Sopa: Açorda à alentejana, caldo verde, sopa da pedra

Marisco: Amêijoas à Bulhão Pato, arroz de marisco, xarém com conquilhas

Peixe: Bacalhau à Gomes de Sá, polvo assado no forno, sardinha assada

Carne: Chanfana, leitão da Bairrada, tripas à moda do Porto

Caça: Coelho à caçador, coelho do Porto Santo à caçador, perdiz de escabeche de Alpedrinha

Doces: Pastéis de Tentúgal, pastel de Belém, pudim abade de Priscos

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Aproximação e aterragem em Lisboa



Desde pequeno que sempre que saio de Lisboa, ao voltar sinto um nó na garganta. Uma sensação estranha de alívio e adrenalina. Nos dias de hoje, continuo a sentir o mesmo, então se chegar de avião…
è lindo. Sim, Lisboa ao fim de tarde é linda.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Sete maravilhas gastronónicas de Portugal



O resultado será divulgado Sábado dia 10 de setembro, em Santarém, cidade detentora do festival gastronómico mais antigo do País e que pretende posicionar-se como capital gastronómica. As votações já decorrem e deixam-nos com água na boca:

Coelho à caçador, chanfana, pastel de Belém, alheira de Mirandela, amêijoas à Bulhão Pato, bacalhau à Gomes de Sá ou açorda à alentejana são apenas alguns dos 21 pratos finalistas das 7 Maravilhas Gastronómicas de Portugal...

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O melhor do mundo está mesmo ali na Rua Augusta - Lisboa


Já esteve num hostel que assa chouriços no meio da sala de estar? Não?! Então é porque não conhece o melhor hostel do mundo, que fica a dois passos do Arco da Rua Augusta, na Baixa lisboeta. Pelo terceiro ano consecutivo, o Travellers House conseguiu o primeiro lugar entre mais de 25 mil hospedagens low cost, numa distinção atribuída pelo site Hostel World (www.hostelworld.com).

O segredo? "Dar uma experiência diferente aos hóspedes", explica Tiago Venâncio, um dos proprietários. Desde provas de vinho, saídas ao Bairro Alto, roteiros nocturnos por Lisboa até a noites de fado em Alfama, a Travellers House tenta marcar a diferença dando uma "experiência cultural" aos mochileiros. Isto para não falar na "Noite do Petisco", a tal em que um fogareiro é colocado no centro da sala de estar.

Dos vários hostels por onde passaram, os proprietários tentaram colocar "os melhores detalhes de cada espaço no Travellers." Durante a volta ao mundo, Tiago lembra um problema que passou em vários dormitórios: não ter um local onde colocar o livro, o telemóvel e os óculos - que até acabaram por se partir por não estarem devidamente guardados. Escusado será dizer, que em todas as camas da Travellers House há uma pequena bolsa para guardar os pertences.

fonte: DN

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Escola...


Nos tempos do bafiento Estado Novo foram plantadas Escolas Primárias por todo o território nacional, desde a aldeia mais recôndita ao aglomerado populacional mais urbano.

Nesses edifícios, além do ensino do célebre ler, escrever e contar, podavam-se as mentes, não fossem estas vir a questionar as bases e os valores do regime. A Escola era, tal como hoje e sempre, um importante instrumento ao serviço do Estado e do conceito de sociedade por este perseguido.

O país era rural, os aglomerados populacionais pequenos, as mulheres domésticas e a Escola Primária cumpria o papel a ela destinado.

Nos dias de hoje já não há uma escola em cada povoação, a escola começa em Setembro e as professoras já não usam carrapito nem dão reguadas, já não se vêem tabuadas na mochila, foram substituídas por calculadoras ou em alguns casos pelo Magalhães.

Os alunos já não se levantam em sinal de respeito quando alguém entra na sala de aula e as velhas carteiras com tinteiros ao centro foram substituídas por novas de contraplacado. A tradição já não é o que era...

e ainda bem. O botas já não dá lições a ninguém.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Lisboa, TAP e hotéis de luxos portugueses nomeados para os “Óscares do Turismo”


Os World Travel Awards realizam-se uma vez por ano e destinam-se a “reconhecer, premiar e celebrar a excelência em todos os sectores da indústria do turismo” à escala global, explica a organização no site do evento, onde divulgou a lista dos candidatos.

No ano da 18ª edição do evento, Portugal conta com 28 representantes, nomeados para 21 categorias europeias.

Lisboa está nomeada para a categoria de “melhor destino de curta duração" da Europa, prémio que arrecadou nas duas últimas edições. A capital portuguesa está ainda seleccionada para a categoria de “melhor destino de cruzeiro” do velho continente, que venceu em 2009.

O aeroporto de Lisboa pode vir a sagrar-se o “melhor aeroporto da Europa” – categoria em que marca presença pelo terceiro ano consecutivo - caso consiga a façanha de obter mais votos do que a concorrência, onde desfilam candidatos de peso como o aeroporto londrino de Heathrow, ou os aeroportos de Hamburgo ou Munique.

A TAP está nomeada para a categoria de “companhia aérea líder da Europa”, disputando o lugar com 10 congéneres europeias, onde se incluem nomes como a British Airways ou a Turkish Airlines. A companhia lusitana está ainda seleccionada para o segmento de “melhor classe executiva de transporte”.

Portugal concorre ainda nos segmentos de turismo de luxo e destino balnear, com os seguintes representantes nacionais: Da Balaia Club Med (“melhor complexo turístico”); praia da Dona Ana, em Lagos (“melhor destino balnear”); Praia d’El Rey Marriott Golf & Beach Resort (“melhor complexo turístico de praia”).

Cinco hotéis nacionais estão nomeados para o prémio de “melhor boutique hotel da Europa”: Aquapura Douro Valley, Areias do Seixo Charm Hotel & Residences, Choupana Hills Resort & Spa, Hotel Quinta da Bela Vista e Vila Joya.

A gala de apuramento dos vencedores europeus decorrerá amanhã (2 de Setembro) em Antália, na Turquia. As votações são realizadas por profissionais do turismo e agentes de viagens localizados em mais de 200 países de todo mundo.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Touradas!?



Há coisinhas que começam a ser demais. A televisão pública é uma delas...

Estou saturado de levar com cavalos e touros semana após semana na televisão pública, aquela que é paga com o nosso dinheirinho.

Farto de ver bancadas repletas de pseudo tios e tias de várias idades, dos 14 à idade de tocarem castanholas com a placa, fingindo que percebem "um boi" do espectáculo deprimente de tortura bovina que se desenrola à frente das pestanas carregadinhas de eyeliner Chanel comprado na feira domingueira.

Uma paisagem de vaidades para lá do suportável. Se entrasse um homem vestido de touro a cantar Sinatra metade da audiência não reparava. As camisas rosa abertas até ao umbigo Ralph Lauren dos Bernardos e dos Salvadores, as Matildes agarradas às SMS e ao Facebook e as avozinhas a abanarem vigorosamente os leques com trejeitos afectados, prestes a colapsarem porque os meninos correm o risco de levar com um corno no recto, como o Pedrito de Portugal, formamc os espectadores das lides.

Um cheiro de bosta de cavalo, palha molhada, after-sun da Nívea e cachorros empesta o ar. As touradas são simplesmente uma feira de vaidades e nada mais do que isso...


inspirado em: Tiago Mesquita

Lisboa: A corrida mais louca do mundo


A denominada corrida mais louca do mundo regressa a 04 de setembro a Lisboa, que acolheu em 2004 pela primeira vez a competição de viaturas sem motor, limitadas a quatro metros de comprimento e 100 quilos de peso.

A vitória no Grande Prémio Red Bull vai ser decretada por um júri, que avalia o tempo percorrido, criatividade/originalidade do veículo e interatividade com o público.

A julgar pelos nomes escolhidos pelas 73 equipas participantes, a boa disposição vai reinar: O Segredo D'ábelha Vai de Férias, Turbolância dos Loucos, 2 Fast 2 Far-west, Red Zeppelin, Smurf's Voadores, Team Varejeiras Zumzum ou Rocky IV, Só Paramos Cá em Baixo.A corrida começou há onze anos, em Bruxelas, mas logo chegou a cidades como de vários continentes como São Francisco, Fortaleza, Istambul, Monterrey e Vancouver.

Segundo a organização, até hoje foram organizadas cerca de 50 corridas em todo o mundo. A primeira edição portuguesa decorreu no Parque Eduardo VII.

Além do gosto pela velocidade, é preciso ter mais de 16 anos para participar na corrida e formar equipas com um máximo de cinco elementos.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Festa de Campo Maior


Desde 2004 que as Festas do Povo - que remontam ao século XIX e não têm qualquer caráter religioso - não se realizavam. Afinal, elas exigem não só um grande investimento (o orçamento, diz-nos Rosinha, deve rondar 1 milhão de euros) como um enorme envolvimento de todos - ou seja, as festas só se realizam se o povo quiser. E o povo quis.

Por isso, nestes dias, semanas e meses, sobretudo à noite, são muitas as mãos, de todas as idades, de todos os estratos sociais, a confecionarem pequenas flores de papel, dos mais variados feitios e cores. Um dos grandes estímulos a esse trabalho moroso é a rivalidade que inevitavelmente se cria entre ruas. Cada rua da cidade inscreve-se para as Festas (este ano 104 "ruas e troços" já estão inscritos) e elege um "cabeça de rua" que comunica à Associação as cores, e o material pretendido, tentando fazer o máximo segredo disso em relação aos vizinhos de outras ruas.

"São vinte toneladas de papel, mais três toneladas de outros materiais". Entre 27 de agosto e 4 de setembro espera-se, na pequena vila raiana de Campo Maior (com cerca de 9 mil habitantes), mais de um milhão de visitantes.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Estação de comboios de S. Bento considerada uma das mais belas do mundo


Na lista das 14 estações de comboio mais belas, a de São Bento é destacada pela sua fachada em pedra e telhados de mansarda, bem como pelos “20 mil esplêndidos azulejos” criados por Jorge Colaço e produzidos pela Fábrica Cerâmica Lusitana, um trabalho que, segundo a Travel+Leisure, fará qualquer visitante “suspirar”.

O projecto chegou às mãos do artista em 1905 mas só dez anos depois era apresentado ao público, que nas paredes da estação pode ver alguns episódios da história de Portugal como a entrada de D. João I no Porto, para celebrar o casamento com D. Filipa de Lencastre, ou o torneio de Arcos de Valdevez.

Além de São Bento, a Travel+Leisure destaca ainda a beleza da estação de Maputo, em Moçambique, a única escolhida no continente africano, bem como os jardins interiores da estação de Atocha, em Madrid, ou ainda as estações de Kanazawa, no Japão, a Southern Cross Station, em Melbourne, na Austrália, de Sirkeci, em Istanbul, na Turquia, ou a neogótica S. Pancras International, em Londres.

Os Estados Unidos lideram a lista com três estações – a Union Station, em Los Angeles; a Union Station, em Washington; e a Grand Central Terminal, em Nova Iorque.

Na Europa, destaque ainda para a estação central de Antuérpia, na Bélgica. A arquitectura e a decoração da estação Chhatrapati Shivaji, em Bombaim, na Índia, e da estação de Kuala Lumpur, na Malásia, também as colocaram na lista da revista.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Poço da Morte, acabou...



O homem de oitenta e um anos que assegurava o espetáculo teve um acidente, e foi obrigado a abandonar a atividade. Ao longo de seis décadas desafiou o perigo.Agora tem um divertimento nas feiras muito mais tranquilo.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Casar em Portugal



Agosto é o mês dos casamentos por excelência. As possibilidades são tantas que é dificil escolher. Tudo depende da bolsa...

Casar no Mosteiro dos Jerónimos, no Santuário de Fátima ou no Cristo-Rei não é impossível. Só não é para todas as bolsas. Além disso, os noivos têm de se sujeitar às intermináveis listas de espera e às exigências de cada lugar. Fátima até nem é dos sítios mais caros. Casar na Basílica de Nossa Senhora do Rosário, em pleno santuário, custa 83 euros em taxas, mas só há casamentos aos sábados e ao meio-dia em ponto. E há outras exigências. No que toca à escolha das músicas, por exemplo, os noivos não estão autorizados a opinar: a selecção é feita pelo santuário, que obriga ainda a que esteja presente um organista e um solista. De resto, também não é permitido lançar arroz, flores ou confetti sobre os noivos, para não sujar o espaço.

O Mosteiro dos Jerónimos é mais caro: os preços podem variar entre os 140 e os 170 euros, consoante os noivos sejam, ou não, da diocese de Lisboa. Os casamentos só podem ser marcados para os sábados de manhã, não são permitidos balões e os noivos até podem escolher as músicas desde que, segundo a agência Lusa, não sejam músicas "de filmes ou de namoro". Ou seja, só é aceite música sacra.

Ainda este ano devem realizar-se 40 casamentos no Cristo-Rei. Aqui são permitidos todos os tipos de música, "desde que não seja muito violenta". A cerimónia custa 100 euros e não é permitido pôr flores no altar.

Também é possível casar no Castelo de São Jorge - o preço varia em função do número de convidados - e no Palácio da Pena, em Sintra. Aqui, o casamento custa 1500 euros, fora o IVA, e só pode acontecer ao final da tarde e para menos de 100 pessoas.

A Norte, o santuário do Bom Jesus, em Braga, é dos lugares religiosos mais procurados. Só no ano passado, serviu de palco a 84 casamentos. Paga-se 50 euros e o cónego responsável diz que não se lembra de nenhuma noiva ter subido, a pé, a enorme escadaria do santuário.

Aparentemente, a crise também já chegou aos lugares mais idílicos para casar: no Mosteiro da Batalha, o padre responsável admite que actualmente já só celebra "metade" dos casamentos "de há seis ou sete anos". Mesmo assim, ainda faz "cerca de 50 por ano".


domingo, 14 de agosto de 2011

Favaito, o anti Martini...


Adega Cooperativa de Favaios lançou a campanha de marketing online do Favaíto, com o claim “Bonito Bonito é pedir um Favaíto!”. A DUDA Portugal foi a agência responsável pela campanha que visa aproximar a marca a um target mais jovem e urbano (dos 18 aos 35 anos), aumentar a visibilidade e notoriedade de Favaíto nas redes sociais e subsequente aumento da procura daquela que é a marca Líder na categoria dos Moscatéis, com 64% de quota de mercado.

Favaíto ganha assim uma identidade mais pop através de uma linguagem simples, directa e memorável.